Difundir para respeitar direitos humanos de crianças e adolescentes na mídia

Executado pela Agência de Notícias da Infância Matraca, apoiado pelo Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA) e financiado pelo Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (FMDCA), o projeto “Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: Difundir para Respeitar” promove direitos humanos infantojuvenis por meio da difusão da informação sobre o assunto a estudantes universitários e comunicadores. Ele começou em maio de 2016 e se encerra em maio deste ano.

O propósito principal já foi atingido com a realização dos objetivos específicos: rodas de diálogo voltadas para universitários e profissionais de áreas diversas; cursos de capacitação para estudantes de comunicação e representantes de ONGs; estágio na Agência Matraca para os dois estudantes de comunicação que mais se destacaram no curso. Todos focados em temas de direitos de crianças e adolescentes para que, a partir da informação, se pudesse propagá-los.

Outra objetivo, este mais de caráter durável para além do período do projeto, é aumentar a cobertura das pautas jornalísticas relacionadas à área da infância pelos veículos de comunicação maranhenses. Essa meta é atingida como consequência da difusão da informação, com a realização dos objetivos específicos, mas também a partir do contato direto com esses veículos, do envio de sugestão de pautas e da formação dos profissionais. Quanto melhor a formação em direitos humanos do comunicador, melhor será a abordagem feita pela imprensa.

O andamento – Coordenadora do projeto, a relações públicas Silen Ribeiro diz que a participação nas rodas de diálogo, ao longo da execução do projeto, foi ampliada a estudantes e profissionais de outras áreas, pois percebeu-se a deficiência no assunto dos direitos humanos não só na Comunicação, mas em um âmbito geral. Ainda assim, ela ressalta a importância da compreensão do tema por parte do comunicador ao retratá-la como “fundamental para ajudar na divulgação da informação e na sensibilização de outras pessoas”.

Silen relata que as metas do projeto já foram ultrapassadas. Além das rodas de discussão programadas, foram criadas outras para atender às expectativas dos participantes. Sempre com um bom número de pessoas nas atividades, essa participação foi considerada bastante ativa. “Não é somente o número de alunos que influencia na roda. É a participação efetiva. Demonstrar interesse, para nós, é muito mais valioso”, finaliza a coordenadora.

Além da parceria com o CMDCA, as instituições de ensino Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Faculdade Estácio São Luís também colaboram com o projeto.

 


Texto: Giovana Kury/Revisão: João Carlos Raposo

Foto: Camila Bastos

Print Friendly
Top
%d blogueiros gostam disto: