Educação Patrimonial, uma prática importante para o desenvolvimento sociocultural

Antes de falarmos sobre educação patrimonial é importante esclarecer o que vem a ser patrimônio cultural e como isso se interliga com a temática abordada neste texto. O patrimônio cultural é um importante mecanismo político e social de proteção e reconhecimento de elementos culturais de forma diversificada que compõem cada região do Brasil e que está relacionada à sua identidade e suas memórias.

Os museus, uma receita de bolo de tapioca com erva doce, uma canção de reggae, fazem parte da cultura brasileira e de seu patrimônio cultural. O artigo 216 da Constituição Federal de 1988, diz que “Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira”, nos quais se incluem: I. as formas de expressão; II. os modos de criar, fazer e viver; III. as criações científicas, artísticas e tecnológicas; IV. as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; V. os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico.

A Educação Patrimonial é importante, pois dentro dessa amplitude cultural existente, ela permite fazer leituras de tudo que nos rodeia, sendo uma forma de aprendizado, um instrumento pedagógico e metodológico de conhecimento da cultura. Além de incentivar a apropriação e a valorização de sua herança cultural, o que é necessário para que os frutos sejam produzidos, uma vez que esse incentivo tem como resultado a criação e produção de novos conhecimentos. Mas não somente isso: é também um instrumento transformador do próprio âmbito escolar e seu entorno, por fortalecer a comunidade e suas produções culturais e dar legitimidade aos discursos.

De acordo com a consultora e historiadora da consultoria Cultural Sócio Arqueologia, Michele Ribeiro, a educação patrimonial é um processo educativo que permite à pessoa fazer uma leitura crítica do mundo que a cerca, permitindo que ela possa se apropriar de sua própria herança cultural e, com isso, além de fazer uso dela, transmiti-la para gerações futuras. “Por isso, é de fundamental importância que ela seja trabalhada de forma efetiva também com as crianças”, conclui.

Texto: Yara Mendes

Revisão: João Carlos Raposo

Print Friendly
Top